Livro: A Grande Caçada
Título original: Big  Game
Autor (a): Dan Smith
Editora: Seguinte
Páginas: 272
ISBN: 9788565765602
Sinopse: Num vilarejo remoto além do círculo polar, todos os meninos devem passar por um ritual de caça em seu décimo terceiro aniversário, simbolizando a entrada na vida adulta. Agora é a vez de Oskari enfrentar uma noite sozinho na floresta - um desafio bem assustador, considerando que ele não é muito forte e o arco cerimonial é grande demais para seu tamanho. Mas os desafios estão só começando... Logo o garoto acaba envolvido numa outra caçada, completamente inesperada: terroristas violentos estão atrás do presidente dos Estados Unidos, cujo avião caiu naquela mesma mata. Será que Oskari terá coragem e inteligência suficientes para salvar o presidente e a si mesmo? Um garoto de treze anos precisa provar sua coragem ajudando um dos homens mais poderosos do mundo a escapar de um inimigo mortal.
  
   Dan Smith nasceu em 1970 e é autor de obras para o público adulto e infatojuvenil. Morou em diversos países que o inspiraram a escrever, como Serra Leoa, Indonésia, Espanha e Brasil. Hoje vive em Newcastle com a esposa e dois filhos. Baseado na história original de Jalmari Helander e Petri Jokiranta, A Grande Caçada é inspirado no filme Big Game lançado em 2015, produzido por Subzero Film Entertainment, estrelando Samuel L. Jackson e Onni Tommila. O filme não tem previsão de lançamento no Brasil.


   A história se inicia com Oskari, na véspera de seu décimo terceiro aniversário, treinando pela última vez com seu arco, na floresta. Apesar dos treinos, Oskari sabe que as perspectivas não são boas e ser aprovado no Teste - onde devem passar uma noite e um dia na mata e caçar algum animal -, torna-se algo quase impossível. Apesar do esforço contínuo de seu pai, o menino de apenas treze anos sente-se fraco perante os outros meninos e, para piorar, carrega a responsabilidade de ser filho de um dos melhores caçadores do vilarejo, que trouxera nada menos do que um urso em seu próprio teste, mostrando-se forte e corajoso. 
   Chegado então seu aniversário, Oskari é levado ao monte Akka para começar a preparação para o grande Teste, onde o ancião diz que "um menino entra na floresta, mas é um homem que retorna". No caminho, ainda na perua, seu pai lhe entrega um mapa onde uma cruz marcada em vermelho, representa o território onde há uma grande concentração de cervos machos, bonitos e com galhas grandes. Oskari porem não se sente melhor com o mapa, pois de nada adianta ele saber onde se localizam os melhores cervos, sendo que não consegue mal levantar seu arco, veja lá acertar o imenso animal. 
   Com todo esse peso nas costas, Oskari começa a prova sem confiança de que irá ser bem sucedido. Já na mata, tudo se complica quando o jovem torna-se testemunha de cenas esquisitas, como o pouso de um helicóptero com a tripulação altamente armada, seguido do lançamento de mísseis e da estrondosa queda de um avião. Os acontecimentos só começam a fazer sentido quando ele encontra um sobrevivente no meio dos escombros: o presidente dos Estados Unidos
  A aeronave do presidente havia sido sabotada e derrubada por terroristas, que empreendiam uma verdadeira caçada a um dos homens mais poderosos do planeta. O sonho de matar um cervo para provar a todos na aldeia que era capaz parece distante, e agora Oskari precisa, sobretudo, dar um jeito de sair dali vivo. Antes caçador e agora caça, Oskari se vê pela primeira vez no comando enquanto ele e o presidente se embrenham na mata para fugir dessa ameaça terrível. Afinal, apesar da insegurança, o garoto conhece aquela paisagem inóspita como a palma da mão, e caberá a ele garantir a sobrevivência dessa dupla tão improvável

   Lembro-me quando a Seguinte anunciou o lançamento de A Grande Caçada, e por ter um aspecto meio de "ação e aventura distópica", do tipo que costumamos encontrar em Divergente, Jogos Vorazes e outros, logo me interessei e criei boas expectativas quanto ao livro. Confesso que, após a leitura, as expectativas não só foram boas, como  superaram o que imaginei.
  Nunca havia lido algo do Smith, mas adorei sua escrita e possivelmente, se ele vier a publicar outros livros, irei lê-los. O gênero thriller de ação é algo inovador pra mim — ainda que tenha um pouco disso em distopias — e eu ainda não tinha tido a oportunidade de ler um livro totalmente de ação; agora, penso como não tinha feito isso antes!
   A trama é narrada do ponto de vista de Oskari, fato que acrescenta um ponto positivo no livro, visto que a narração em primeira pessoa, muitas vezes, facilita a compreensão. Dan Smith tem uma escrita realmente maravilhosa, daquelas que além de conseguir transmitir claramente o que pensa e sente o protagonista, faz com que nos apeguemos a história, usando de fatos instigantes que tornam a leitura fluida e satisfatória. O dinamismo da narrativa é tanto que fica difícil resistir à vontade de avançar na leitura. Com uma descrição e narração leve e informal o autor nos leva a uma história bem elaborada, com elementos intensos e que envolvem o leitor na aventura, fazendo com que pensemos: como coube tudo isso em um livro?


      O livro é bastante interessante, principalmente por ter sido baseado em um filme e não o contrário. Apesar de não ter assistido ao filme, percebi - através do trailer - que o autor soube ser muito competente nesse trabalho de transformar o filme em um livro, onde os fatos pudessem ser melhores descritos. Outro ponto bem importante é o fato de que o autor fez o livro com a intenção de que, através da história, as pessoas se conscientizassem de que por muitas vezes pensamos que não somos bons o bastante para alguma coisa, enquanto o fato é que só precisamos tentar e, aliado a fé, iremos conseguir

   O autor, ao escrever o livro, fez inúmeras pesquisas e possivelmente assistiu ao filme várias vezes para que pudesse pensar na melhor forma de descrevê-lo. Como a história foi baseada em um roteiro original, de Jalmari Helander e Petri Jokiranta, o autor obteve também a ajuda desses dois roteiristas, o que deu um toque a mais de realidade e ação ao livro, na esperança que fosse tão bom quanto o filme, ou até mesmo quem sabe superá-lo. 
   No livro como a história é centrada em Oskari, que posteriormente se encontra com o presidente, acaba que não há a participação de muitos personagens, apenas eles dois e o pequeno grupo terrorista. Oskari é um personagem bastante cativante e determinado, daqueles que você se vê apegado a ele, torcendo para que seja bem sucedido em sua missão. O Presidente não é diferente, se mostra resistente no inicio, mas acaba cedendo aos poucos, se mostrando uma pessoa amigável, com sonhos e ideias normais, como as de qualquer pessoa. O grupo terrorista é liderado por Hazar, um terrorista cruel e vingativo, que deseja a morte do então Presidente dos Estados Unidos. O líder é acompanhado por outros terroristas, que não aparecem claramente no foco narrativo.

O motivo era o seguinte: a floresta queria. Minha floresta. Meu presidente. As palavras de Hamara ecoaram na minha cabeça: A floresta é um juiz severo. Dá a cada um de nós o que merecemos. Precisamos saber ouvir e lutar, com unhas e dentes, pela nossa presa. Naquele momento eu entendia. Eu tinha que resgatar o presidente. Aquele era o meu teste. Eu não tinha entrado na floresta para matar: tinha entrado para salvar. Só precisava descobrir como.

   Então, de modo geral posso dizer que o livro tem uma formação de personagens — poucos e bons — muito bem feita, dando enfoque e trabalhando mais nos principais — Oskari e o Presidente —, dando a eles uma ótima construção, desenvolvimento lento, envolvendo-os em um cenário único e dando aos mesmos um aspecto bem próximo do real. 
   A história tem um aspecto tão leve e despretensioso, que quase não tenho pontos falhos para apontar — e isso se deve a boa formação do livro. Achei apenas que a sinopse acabou por entregar demais o enredo e também deixou transparente a situação da história, fato que acredito que tira muito a emoção da trama e acaba por surpreender pouco, comparado ao esperado. Mas garanto: não se deixe levar apenas pela sinopse. A Grande Caçada não é só uma história sobre um menino de 13 anos, a trama vai além disso.
   A edição da Seguinte é, sem dúvidas, um ótimo trabalho. Tudo merce parabéns, tanto a capa, com total coerência aos fatos descritos no livro, quanto a diagramação feita com uma arte simples e bonita, com um design interno muito caprichado. O livro é bem pequeno e não encontrei nenhum erro de revisão, fato que é bem satisfatório. A tradução — não menos importante —,  também merce parabéns por ser bem clara e coerente. 
   A Grande Caçada é um thriller de ação surpreendente e muito bem feito. Acredito que seja aquele tipo de livro que agrada a todos e não decepciona. Por mais que não seja do tipo que "marca a sua vida", é um passatempo bem divertido e emocionante, com um final surpreendente que nos faz ver que devemos sempre acreditar que podemos ser bons o bastante e tudo que precisamos fazer é, pelo menos, acreditar e tentar. Em 272 páginas temos mais que uma simples história, temos uma narração sobre a sobrevivência, sobre a amizade, sobre a busca da auto-superação e, principalmente, sobre a vida. Um livro incrível, uma narrativa surpreendente. Altamente recomendado! 

Primeiro parágrafo do livro: “Abaixado sob a sobre das bétulas, levantei a cabeça para sentir o cheiro da brisa. Um aroma almiscarado de musgo e terra molhada invadiu minhas narinas, mas havia algo a mais no ar, alguma coisa quente e selvagem.”
Melhor quote: “A floresta é um juiz severo. Dá a cada um de nós o  que merecemos. Precisamos saber ouvir e lutar, com unhas e dentes, pela nossa presa. É isso que fazemos há séculos e faremos nos próximos séculos. Nada é dado de graça.”


      


2 Comentários

  1. Oi Pedro, tudo bom?
    Adorei sua resenha, espero que lancem o filme no Brasil logo logo!
    Um beijo.
    Garota do Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Katrine, tudo ótimo!
      Obrigado pelo comentário e também desejo muito que o filme seja lançado no país. Realmente uma ótima história.
      Beijos! =)

      Excluir

.