Livro: Estilhaça-me
Título original: Shatter-me
Autor (a): Tahereh Mafi
Editora: Novo Conceito
Páginas: 304
ISBN: 9788563219909 
Sinopse: Juliette não toca alguém a exatamente 264 dias. A última vez que ela o fez, que foi por acidente, foi presa por assassinato. Ninguém sabe por que o toque de Juliette é fatal. Enquanto ela não fere ninguém, ninguém realmente se importa. O mundo está ocupado demais se desmoronando para se importar com uma menina de 17 anos de idade. Doenças estão acabando com a população, a comida é difícil de encontrar, os pássaros não voam mais, e as nuvens são da cor errada. O Restabelecimento disse que seu caminho era a única maneira de consertar as coisas, então eles jogaram Juliette em uma célula. Agora muitas pessoas estão mortas, os sobreviventes estão sussurrando guerra – e o Restabelecimento mudou sua mente. Talvez Juliette é mais do que uma alma torturada de pelúcia em um corpo venenoso. Talvez ela seja exatamente o que precisamos agora. Juliette tem que fazer uma escolha: ser uma arma. Ou ser um guerreiro.

 TRILOGIA "ESTILHAÇA-ME"
    1.  Estilhaça-me
    2.  Liberta-me 
    3.  Incendeia-me (previsão de lançamento para junho)


    Juliette nunca foi uma garota comum, e o motivo é claro: o seu toque é letal. Nas poucas vezes em que a menina tocou alguém, ou a pessoa morreu, ou sentiu uma dor imensurável. Ela está há 264 dias aprisionada em uma cela, sem ter contato com nenhum ser humano.
   Quando Adam, um rapaz alto, forte, bonito e estranhamente familiar, entra em sua cela, Juliette é surpreendida. Não há cabimento em designarem lhe um companheiro de cela, ainda mais quando ela é tão perigosa. 
   Além disso, o mundo não passa por uma situação muito boa: a atmosfera foi destruída, a vegetação extinguida, os animais, a comida e, especialmente, a água, estão escassos. O governo do mundo foi tomado pelo Restabelecimento, um grupo dominante que prometeu resolver a situação, mas apoderou-se do poder e explora os mais fracos. O que restou foi divididos em 3.333 distritos, e o que Juliette mora é comandado por Warner, um jovem, mas impetuoso, general.
   Quando a verdadeira identidade de Adam é revelada, assim como os planos que Warner possui para Juliette – ele deseja usá-la como uma arma para O Restabelecimento –, ela precisa lutar para ter a vida que sempre quis: uma vida com liberdade. 

    Estilhaça-me não é um livro fácil de ser esquecido. Apesar de ser uma distopia, o livro não é tão focado no que acontece ao redor da personagem principal, mas sim nos seus conflitos internos. De tal modo, o início é extremamente confuso, contudo, vamos aos poucos nos acostumando com a personalidade um tanto atordoada de Juliette.
    A singularidade da obra já se mostra presente na narrativa, que é diferente de tudo que já li. Juliette está quebrada – confusa, isolada e a beira da loucura. O modo pelo qual a autora resolveu demonstrar tudo isso foi extremamente original: narrado em primeira pessoa, mas também com frases riscadas, que mostram alguns pensamentos ocultos da personagem. Além disso, é notável os imensos erros gramaticais (como a falta de vírgulas e repetições), que insinuam o estado mental caótico da protagonista. 
    Se achei a narrativa extremamente interessante? Sim. Mas preciso dizer que ela me incomodou bastante, especialmente nas primeiras cem páginas do livro, que é quando tudo está mais confuso. Depois disso, conforme Juliette vai tendo contato com mais pessoas, é possível notar uma óbvia melhora nela – como se a mente da personagem tivesse clareado. 
     Preciso esclarecer que Juliette é, essencialmente, uma boa pessoa. Uma pessoa tão boa que chega a ser irritante, na maioria das vezes. A menina se recusa a revidar os maus tratos que sofre – mesmo que pudesse, e muito bem –, independente do quão ruim seu atacante seja. É algo um tanto incômodo, sim, mas é necessário se acostumar com a mania da protagonista de pensar em todos, exceto nela mesma. Adam, por sua vez, é cavalheiresco e corajoso, e meio que equilibra a balança tentando a todo o momento salvar Juliette.


     A linguagem é poética, floreada e Tahereh Mafi abusa de metáforas. O resultado de tudo isso é algo um tanto delirante, o que é, claramente, o desejo da autora. Em média, as primeiras cem páginas do livro são passadas assim, e até aí tudo está muito interessante. O problema é que, depois disso, alguns defeitos do livro tornam-se tão gritantes que é difícil ignorá-los.
   O romance excessivo é o primeiro deles. Eu adoro romances, mesmo. Mas o que acontece entre Juliette e Adam é demais, até para mim. Tudo ocorre quase instantaneamente, e, assim, de uma hora para a outra e sem nenhuma construção, Juliette está loucamente apaixonada por Adam e morre de vontade de se jogar nos seus braços. E é claro que o mesmo acontece com ele. Eu entendo que ela nunca teve contato com ninguém, está carente, sozinha e assustada, mas aí fica um pouco implícito: será que esse “amor” entre eles não é resultado apenas da carência de Juliette?

    Tirando essa súbita paixão, preciso dizer que o relacionamento dos dois fica muito doce depois de algumas boas páginas. Talvez o fato de Adam ser o namorado perfeito, charmoso, destemido e corajoso, ajude muito. Me vi torcendo para o casal lá pelo final do livro, mesmo com as situações um pouco forçadas do romance – como quando, no meio de uma cena cheia de ação, Juliette tem um pensamento aleatório sobre como o Adam é irresistível. E juro que não estou brincando! 
    Outra coisa que não me agradou nem um pouco foi o triângulo amoroso entre Juliette/Adam/Warner. Me pergunto: por que uma personagem não pode se apaixonar por um personagem, e simplesmente continuar apaixonada somente por ele? Ok, talvez seja minha aversão a triângulos amorosos falando, mas achei extremamente desnecessária (e extremamente conveniente a outra única pessoa no mundo imune à Juliette se apaixonar por ela) essa adição do Warner à relação amorosa, ainda que isso traga uma certa dúvida quando ao futuro do livro. 
    Apesar de todos os defeitos, não acredito que Estilhaça-me seja um livro ruim. É uma história extremamente interessante, curiosa, com personagens que prometem um amadurecimento e um fundo político e distópico que deve ser mais profundamente desenvolvido no decorrer da série. Trata-se de um livro original, e, devido a isso, difícil de falar sobre. 
    Tahereh não desaponta se você estiver procurando por um romance, mas que possua uma boa dose de ação. Todas as cenas são tão bem descritas que você irá mergulhar nesse universo criado pela autora, e, em um dado momento, o suspense criado é tamanho que é impossível largar a história. 
    Cheio de suspense, dúvidas e reviravoltas, Estilhaça-me pode conquistar muitos fãs de distopias com sua história surpreendente e original. Não entrou para minha lista de favoritos, mas é marcante e vale o tempo gasto. 
Primeiro parágrafo: 
"Estou aprisionada há 264 dias."
Melhor quote:
"– Você não faz ideia do quanto pensei em você. [...] de quantas vezes sonhei em estar tão perto de você. [...]– Céus, Juliette, eu a seguiria para qualquer lugar. Você é a única coisa boa que sobrou neste mundo."


7 Comentários

  1. Oie ;)
    Tenho esse livro pra ler faz tempo. E estou ansiosa pra que chegue a vez dele. Só tem alguns na frente. Acredito que irei gostar bastante, bem gostei da proposta dela e essa pegada de x.man. tua resenha me deixou com vontade de colocar n frente da lista mesmo não tendo ficado no teus favoritos.
    Beliscões da Máh♥

    BlogInstagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Máh!
      O livro é muito bom mesmo, apesar de todos os defeitos. No começo é um pouco travado para pegar o ritmo da escrita, mas, depois, é muito difícil largá-lo. Espero que goste da leitura!
      Beijos!

      Excluir
  2. Oi Gabi, gostei muito deste livro, lembro que na época só não gostei dos constantes riscos nos pensamentos da personagens, mas entendi que era proposital, para compô-la.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  3. Oi Gabi!
    Eu passo longe de romance muito mimimi e esse tem cara de ser desse jeito...
    Já tinha ouvido falar da serie e várias críticas positivas, mas como você disse, "romance excessivo" e esse negócio de "loucamente apaixonada" me irrita bastante.
    Mas, quem sabe um dia eu leia...

    Beijos!
    Juliana
    www.livreeespontanealeitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Também não curto romance cheio de mimimi e morro de amores por você e tudo mais, até porque esse tipo de livro me machuca na fase da vida em que me encontro. kkk
    MAS apesar do livro ter essa parte, adorei, e sou completamente viciada. Quase morri quando saiu o Liberta-me e não vejo a hora de sair o Incendeia-me.
    Acho que aprendi a entender a personagem, a entender o porque de um amor tão repentino e grande desse jeito. E toda ação que tem no livro dá uma equilibrada no romance.
    O mais interessante de tudo, que me cativou pra caramba, foi justamente a gente estar "dentro da mente" da personagem a todo instante. Sabemos tudo que ela pensa, tudo que ela sente. Dá pra se identificar bastante com as emoções conflitantes da Juliette.
    Enfim, no todo, achei o livro ótimo. Com todas as características únicas e complicadas dos personagens :)

    ResponderExcluir
  5. Quero MUIIIITO ler esse livro, mas ainda não lançaram em Portugal :(
    Adorei a resenha, parabéns!
    Beijinhos **

    http://prologuesepilogues.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Agora fiquei na duvida se leio ou não, pois detesto romances que acontecem rapidamente, sem serem bem construidos e cheios de mimimi

    ResponderExcluir

.