Livro: Jantar Secreto
Autor: Raphael Montes
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 360
ISBN: 978-85-359-2835-8
Sinopse: Um grupo de quatro jovens deixa Pingo d'Água, uma cidadezinha no interior do Paraná, para estudar no Rio de Janeiro. Eles dividem um apartamento em Copacabana e fazem o possível para alcançar seus sonhos na cidade grande. Dante, o narrador, trabalha como vendedor numa livraria e cursa administração. Leitão, um hacker de humor escrachado, frequenta aulas de ciência da computação, mas prefere mesmo jogar video game e comer pizza. Miguel, o certinho do grupo, estuda medicina. E Hugo é um aspirante a chef e dono de uma vaidade sem limites. Em meio às dificuldades de pagar o aluguel e conseguir um bom emprego em um país em crise, os quatro amigos têm uma ideia para finalmente ganhar dinheiro: realizar jantares secretos para clientes ávidos por uma aventura exótica. Mas o que começa como brincadeira de repente assume proporções inimagináveis. Eles mergulham num sufocante caminho de desconfiança, paranoia e ambição, assumindo uma índole perversa que jamais imaginaram possuir. Passando por matadouros clandestinos, grã-finos excêntricos e uma espiral de crimes, Jantar Secreto une humor negro e suspense numa trama hiperbólica, misto de fábula sobre a violência e retrato de uma juventude sem rumo.

Raphael Montes nasceu em 1990, no Rio de Janeiro. Escreveu os romances Suicidas, Dias Perfeitos e O Vilarejo, todos sucesso de público e de crítica, com os direitos de adaptação vendidos para o cinema. Dias Perfeitos foi traduzido para 22 países e escolhido como livro do mês na Amazon norte-americana. Atualmente, Raphael assina uma coluna semanal em O Globo e escreve roteiros para cinema e TV.

   Quatro jovens amigos passam em boas universidades e decidem se mudar para a cidade grande do Rio de Janeiro, em Copacabana. Moram juntos em um ótimo apartamento e estudam o que gostam. Parece o início perfeito de uma nova jornada. Porém, os anos vão passando e o futuro dos quatro amigos se torna cada vez mais incerto. O país vive uma crise política e econômica, os jovens estão ficando desempregados e sem perspectiva, até que essa realidade difícil atinge a Miguel, Hugo, Leitão e Dante.
   Os quatro tentam se manter como podem. Já não têm mais condições de sustentar os luxos que sempre tiveram desde que se mudaram e os sonhos de se tornarem grandiosos em suas carreiras se desfazem aos poucos. Mesmo formados em seus cursos superiores (com exceção de Leitão, que só vive deitado em frente ao computador, engordando cada vez mais) eles não conseguem prestígio no mercado e sente que tudo que aprenderam foi inútil. Numa tentativa de sobreviverem e manterem-se ilesos à crise, decidem promover jantares no apartamento através de um site chamado Jantar Secreto.
   Eles devem cadastrar no site o cardápio que pretendem oferecer no jantar, e quem fica responsável pelo cadastro é Leitão, já que está sempre conectado ao mundo virtual. Mas o rapaz resolve pôr como prato principal uma carne exótica: a humana. Inicialmente, era apenas uma brincadeira, afinal, que estupidez seria trabalhar com canibalismo! Mas quando a situação aperta, nada mais parece absurdo e os amigos passam por cima de qualquer teor ético para não deixarem o ego e a boa condição de vida morrer. Porém, esse jogo pode ser mais arriscado do que imaginavam.

   Esse foi meu primeiro contato com Raphael Montes. É um autor jovem, mas com muito potencial. As críticas que recebe têm renome e são muito positivas, o que despertou meu interesse pela leitura, em continuar acompanhando o trabalho do autor e almejar mais obras como Jantar Secreto, sem sombra de dúvidas. O gênero literário de suspense sempre me envolve facilmente e ver algo assim sendo retratado na sociedade brasileira torna tudo mais real — principalmente quando o cenário é atual (a história se passa em 2016), relatando a crise pela qual o Brasil passa e fazendo uma crítica não tão sutil ao futuro do jovem em nosso país — tão sem perspectiva quanto a maioria dos setores que montam a situação brasileira.

"Cora estava certa: não dava para ser hipócrita. Eu comia carne desde criança, não comia? Nunca me importei com o sofrimento do boi, com a tortura do ganso, nunca perdi um segundo de sono em homenagem aos porcos e aos frangos que devorei ao longo de toda a minha existência" (p. 127).

   A narrativa ocorre em primeira pessoa e é um relato de confesso. O narrador-personagem é Dante, que mostra o seu ponto de vista e sua visão acerca dos personagens. Por ser um personagem muito cotidiano (apenas um jovem que busca independência e formas de tocar sua própria vida com um diploma de Administração), vemos elementos cotidianos em sua narrativa, como o uso da tecnologia e a simples descrição de uma rotina de trabalho. O mais interessante é que todas essas atividades cotidinas ganham novas cores quando inseridas na narrativa de Montes.
  As descrições são, normalmente, desprovidas de emoções fortes. A frieza é muito presente ao longo de toda narrativa — frieza essa que é passada para os personagens na maioria das vezes, não sei se propositalmente ou apenas como uma consequência da escrita. Isso traz certo equilíbrio ao enredo, já que contém muitas cenas pesadas, recheadas de suspense mórbido e humor negro. O mais incrível foi a junção de todos esses detalhes, coisa que Montes conseguiu realizar com maestria.


   Alguns elementos chamam a atenção ao longo da narrativa, como um capítulo inteiro que mostra uma conversa em um grupo de WhatsApp, ou outro que narra uma receita, ou um que mostra as cartas que Leitão escreve para a mãe. A linguagem utilizada de adequa a cada um desses meios, inclusive palavras que estão presentes apenas em nosso vocabulário do dia a dia, como xingamentos, palavrões, etc. São detalhes que deixam a narrativa mais atual e faz uma quebra razoável no prosseguimento narrativo. O autor se empenhou em rechear o enredo com referências da cultura pop com uma mistura de tensão e divertimento, o que fazia com que o leitor se aproximasse mais da história.

"É fácil condenar alguém, pulverizar a responsabilidade, montar teorias e encontrar culpados. Mas repito: você teria feito igualzinho" (p. 153).

   A construção dos personagens foi uma das coisas que mais me surpreenderam na história. Todos eles tiveram suas personalidades bem trabalhadas e sua considerável importância. Por Dante ser o narrador, os demais personagens eram apresentados sob seu ponto de vista. Todos os seus pensamentos eram apresentados sem restrição, tudo o que ele sabia o leitor também ficava sabendo e isso fez com que o enredo fosse evoluindo à medida que os mistérios eram descobertos por Dante, fazendo com que o leitor tivesse uma série de pensamentos conflitantes. Diversos segmentos são mostrados, como a recusa inicial de Dante de entrar no negócio lucrativo que se mostrou o preparo de pratos com carne humana. Ele acaba aceitando participar desse jogo criminoso, deslumbrado pela ideia de que pode ter uma vida melhor com o dinheiro que recebe — muito mais que em qualquer trabalho que já fez. E por mais que nós, em posição de observadores, o julguemos, ele faz uma provocação direta para o leitor como uma reflexão: nós, no lugar dele, faríamos a mesma coisa?
   Os personagens secundários também tiveram alto grau de construção e participação. Os quatro amigos tinham, cada qual, sua personalidade e comportamento — de forma que ficou difícil imaginar como pessoas tão diferentes se tornaram amigas. Hugo, com seu egocentrismo na alturas e um cozinheiro de mão cheia — ele permanece no negócio dos jantares porque ama receber os elogios daqueles que comem a sua comida. Miguel, o estudante de Medicina certinho e super inteligente, é aquele que mais se opõe aos jantares e tenta se manter a parte de toda a situação, fingindo que não sabe de nada. Leitão é o mais desleixado, cheio de traumas e mistérios escondidos no vasto mundo cibernético. Através dos rumos que os amigos tomam, acabamos conhecendo também Cora, a única mulher que se intromete nos assuntos dos jantares e põe a mão na massa (de forma bem literal). Parecem formar a equipe perfeita em conjunto com o seu superior — um dos muitos mistérios. A questão é que cada um dos personagens possui seus próprios demônios, que, aos poucos, vão se revelando e mostrando porque eles chegaram até aquele ponto.
   Esta edição ficou muito bonita, desde a capa até a diagramação. Muito limpa, bem organizada e passando o tom que o próprio enredo passa para o leitor. A coloração rosada na margem exterior das páginas também deu um toque visualmente bonito ao livro, diferenciado em contraste com a capa branca e elegante. Não encontrei erros de revisão, pelo contrário, o livro ganha credibilidade inicial pela boa edição.
   Jantar Secreto é um ótimo livro para quem procura uma narrativa mordaz e um tema original, diferente e exótico. Apesar do canibalismo ser uma espécie de tabu para a sociedade, a alimentação através da carne animal não o é. O livro busca inserir essa reflexão nos pondo sempre no lugar do protagonista, fazendo com que a pergunta "o que você faria?" paire do ar de forma tenebrosa, como um balde d'água fria. Diversas reflexões são feitas ao longo da história, e ela é eletrizante até a última página — literalmente. Sem dúvidas quero acompanhar o trabalho de Raphael Montes e recomendar esta obra às pessoas que gostam de um bom mistério.

Primeiro parágrafo: "Na madrugada do dia 18 de junho de 2016, um homem entra na 15a DP do Rio de Janeiro, no bairro do Jardim Botânico, e pede para falar com o delegado de plantão. Suas mãos tremem, mas ele mantém o olhar firme. Veste um smoking ensopado de sangue".
Melhor quote: "O paladar é o único sentido isento das questões éticas que governam os demais. Imagine um performer que mutila um animal numa galeria de arte ou um músico q tortura um animal, porque acha o som agradável... Casos impensáveis! Ainda assim, há anos, nós matamos, mutilamos e torturamos animais simplesmente porque eles são saborosos. As pessoas toleram muito sofrimento em sua comida. Em nome do paladar, tudo é possível, meu amigo".




12 Comentários

  1. Já há algum tempo eu estou de olho nesse livro. Não comprei ainda pois não tinha lido nada que realmente me atraísse de vez mas com essa resenha, vou providenciar em breve!
    bjs

    Amor Por Livros
    http://amo-os-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Bianca, eu estou mega curiosa quanto a esse livro e faz tempo que estou querendo ler, mas não sei porque estou protelando a leitura.
    Beijos
    [SORTEIO] Aniversário de 1 Ano: Livro - Perdida
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  3. Bianca!
    Já li outros livros do autor e gostei.
    Podemos ficar chocados em um primeiro momento com o lance do canibalismo, mas não somos carnívoros? Comemos carne de outros animais?
    Gosto ninguém discute, não é mesmo?
    E quem diz que nós mesmos em uma situação de risco de vida também não comessemos?
    Quero ler para saber como toda trama se desenrola.
    “Quanto mais nos elevamos, menores parecemos aos olhos daqueles que não sabem voar.” (Friedrich Nietzsche)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  4. Até o momento não li nenhum livro do autor. Certamente que tenho alguns na minha lista e esse está com certeza. A capa do livro já nos dá uma idéia do que nos espera e para quem gosta desse tipo de literatura, é excelente. Eu gosto muito de thriller e suspense e esse me parece ser do jeitinho que gosto. Mas comer carne humana, já está um pouco demais para mim. Só de pensar já me embrulha o estômago. Imagina então, reservar lugar para isso. Não, não mesmo. Mas quero ler o livro.
    Maristela da Graça Rezende

    ResponderExcluir
  5. Quero muito ganhar! Não é todo dia que uma obra do Raphael Montes é sorteada, e ele é um grande escritor!!

    ResponderExcluir
  6. Desde o lançamento de O Vilarejo tenho uma vontade imensa de ler algo do Raphael. A maneira dele escrever e o tema de terror dos livros é o que me mais me interessam. Quando vi o book trailer de Jantar Secreto pirei. Espero poder ler em breve!

    ResponderExcluir
  7. Nossa esse livro deve ser chocante. Pelo jeito o autor gosta de escrever romances perturbadores... Tentei ler Dias Perfeitos mas parei lá pela metade, já que as personagens principais não me agradaram muito, e parece que o autor não buscou, pelo menos nesse livro, a simpatia do leitor. Já li muitos livros pertubadores(Captive in the dark ganha de todos, eu sou louca por esse livro), mas ele precisa me segurar, despertar minha curiosidade. Espero que Jantar Secreto seja um desses. Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  8. Oii! Eu gostei demais desse livro, apesar de ter lido no formato digital.
    Esse capítulo narrado em forma de conversa de WhatsApp é engraçado hahaha
    Esse Leitão é irritante e o final teve um plot twist que NOOOOOOOOSSA. Eu não fazia ideia.
    Jantar secreto foi minha terceira experiência com o autor e não sei dizer de qual gostei mais, na verdade. Os personagens são realmente muito bem construídos em todas as obras que li dele e em especial a crítica que esse livro passa é muito interessante

    ResponderExcluir
  9. Quero muito ler, esse livro deve ser maravilhoso, e estarei torcendo bastante!
    🍀🍀🍀🍀😍😍😍

    ResponderExcluir
  10. Não li nenhum do Raphael Montes!! Quero ler Jantar Secreto porque gosto de suspense, de ficar na expectativa do que vai acontecer!! E por que o livro está muito bem comentado nas redes sociais, e é um autor nacional!! Junção perfeita!!

    ResponderExcluir
  11. Oi Bianca, eu estou muito ansiosa para ler este livro, já li "O vilarejo" do Raphael e curti muito.
    Parabéns pelo sorteio!

    ResponderExcluir
  12. Acabei de ler esse livro e estou encantada com a escrita do Raphael Montes... Eu simplesmente amei, me prendeu do começo ao fim... Já providenciando os outros livros dele em... 3, 2, 1!

    ResponderExcluir

.