Livro: Uma Canção de Ninar 
Titulo Original: This Lulaby
Autor (a): Sarah Dessen
Editora: Seguinte
Páginas: 350
ISBN: 978-85-5534-011-6
Sinopse: Remy não acredita no amor. Sempre que um cara com quem está saindo se aproxima demais, ela se afasta, antes que fique sério ou ela se machuque. Tanta desilusão não é para menos: ela cresceu assistindo os fracassos dos relacionamentos de sua mãe, que já vai para o quinto casamento. Então como Dexter consegue fazer a garota quebrar esse padrão, se envolvendo pra valer? Ele é tudo que ela odeia: impulsivo, desajeitado e, o pior de tudo, membro de uma banda, como o pai de Remy — que abandonou a família antes do nascimento da filha, deixando para trás apenas uma música de sucesso sobre ela. Remy queria apenas viver um último namoro de verão antes de partir para a faculdade, mas parece estar começando a entender aquele sentimento irracional de que falam as canções de amor.

  Sarah Dessen é uma dos maiores destaques da literatura jovem adulta contemporânea. Autora de doze livros, incluindo Os Bons Segredos, que juntos somam mais de 9 milhões de exemplares vendidos no mundo, já recebeu diversos prêmios e seu nome é presença constante na lista de best-sellers do New York Times. Mora em Chapel Hill, Carolina do Norte, com o marido e a filha.

   Remy terminou o colégio e tem pela frente as últimas férias antes de ir para a Universidade de Stanford, a mais de 5 mil quilômetros de casa. Mas seu verão está longe de ser tranquilo: ela foi encarregada de organizar o quinto casamento da mãe, a escritora best-seller Barbara Starr, com Dan Davis, dono de uma concessionária da região. Numa visita à Don Davis Motors para acertar com o futuro padrasto os últimos detalhes do casamento, Remy conhece Dexter. Ou melhor, Dexter esbarra — literalmente — em Remy, dizendo que tinha sentido uma conexão entre os dois, como se soubesse que eles iam ficar juntos. Remy acha o garoto muito inconveniente e, claro, não acredita que romances como os dos livros da sua mãe sejam possíveis na vida real. Aliás, sempre que começa um namoro, ela segue alguns passos predeterminados para que o relacionamento não dure mais do que algumas semanas.
   Ela é especialista em identificar o momento perfeito de terminar: logo depois da paixão inicial, mas antes que haja um envolvimento emocional mais profundo. Mas Dexter não vai desistir tão fácil. Depois de muita insistência do garoto, os dois acabam se apaixonando, e Remy decide dar uma chance a ele. Por incrível que pareça, os defeitos de Dexter que normalmente fariam Remy arrancar os cabelos não a irritam tanto assim — e em poucos tempo ela se vê envolvida na rotina do Thuth Squad, banda que Dexter é vocalista. Em meio a talheres de plástico, um cachorro chamado Macaco e uma ópera sobre batatas, Remy pela primeira vez se pergunta se vale apena ter esperança no amor.

   Já vi muitos leitores falando sobre a Sarah Dessen e sempre tive vontade de ler algo da autora. Uma Canção de Ninar foi minha primeira experiência com a escrita dela e só posso dizer que essa mulher é espetacular — tem razão ela ter ganhado tantos prêmios e seu nome ser presença constante na lista de best-sellers! Fui com muita expectativa e a história me ganhou logo nos primeiros capítulos. O gênero já é um de meus queridinhos, amei a forma como a autora conduziu todo o enredo da história. Conhecer a escrita da Sarah foi uma das melhores coisas que me aconteceu no mundo literário — já coloquei como meta ler todos os livros publicados por ela nesse ano.
  Sarah sempre aborda temas tabus em seus livros e por mais que a escrita seja leve e descontraída, os assuntos tratados são bem reais e vivenciados por muitos jovens hoje em dia. Em Uma Canção de Ninar, conhecemos Ramy, uma jovem que sofre por causa da morte do pai ausente e por uma mãe que aparenta ser perfeita, mas que não liga para a filha que tem. A garota, claro, teme ficar parecida a com mãe, e sofre muito com a  ausência da mesma. Por isso, perdeu a juventude vivendo uma vida fugindo de seus sentimentos. 
   Um dos motivos de todo meu amor por esse livro foi a forma com que a autora misturou várias coisas em uma só história e a importância que ela deu para seus personagens secundários. Música, mãe escritora e um irmão problemático que muda por causa do amor são só alguns dos temas que a autora colocou em seu livro. Todos os personagens — quando eu digo todos, são todos mesmo — secundários são bem aprofundados no livro. Gosto quando um escritor se preocupa em usar vários temas secundários interligados com o principal para dar mais profundidade e diversidade ao livro. Isso torna as coisas mais interessante, não concordam?

"E tudo se resumia a amor, ou a falta dele. Tudo que arriscamos, sem saber muito bem, ao nos apaixonarmos ou nos afastarmos e nos fecharmos, protegendo nosso coração com toda a força."

   Ramy, no começo, é uma protagonista bem chata e complicada. Eu sempre ficava intrigada com todas as escolhas que ela fazia ao longo da história. Todos os relacionamentos complicados e a mania que ela tinha em ir para longe me fizeram querer ler mais e mais para entender os reais motivos da personagem. Só fui gostar dela lá para o meio do livro, quando fui entendendo tudo sobre a vida da protagonista, e todas as suas atitudes em relação a Dexter também só foram me agradar depois de vários capítulos torcendo pelo dois.
   Durante toda a leitura só temos o ponto de vista de Ramy — e eu, como leitora voraz, queria muito que esse livro tivesse vários pontos de vista, pra tornar o enredo ainda melhor. Senti falta de saber mais sobre Dexter (saber mais dele no sentido de vê-lo narrar!) e sobre o irmão de Ramy, que deu muito trabalho para a família e que é apaixonado por lagartos — uma paixão bem peculiar, hein? Acima de tudo, senti falta, na narrativa, da presença do pai de Ramy, que apesar de ter morrido deixou muitas intrigas em minha cabeça sobre suas ações quando vivo. A ausência de sua mãe também me intrigou bastante, por isso eu queria que esse livo tivesse outros pontos de vista. Acredito que com mais pontos de vista o leitor teria não só uma visão maior dos fatos, mas um entendimento melhor.

"E essa é a chave. É como um grande gráfico em forma de pizza, em que o amor tem que ser a fatia maior. O amor compensa muita coisa, Remy."

   A Editora Seguinte mais uma vez arrasou na escolha da capa, super condizente com um lugar descrito na história — sem spoiler. Como todos os livros da Seguinte, o livro veio com um marcador super fofo na orelha. Sobre a edição e diagramação, não tenho muito o que falar, está tudo maravilhoso, feito com o mesmo capricho de sempre. Uma Canção de Ninar é um livro que abordara vários temas importantes — principalmente para os jovens — e acima de tudo nos faz refletir sobre várias decisões que tomamos em nossas vidas. Se você ainda não leu nada da Sarah Dessen pode ir sem medo de ser feliz. Cheio de músicas, aprendizagem e a descoberta de um amor verdadeiro, após a leitura, Uma Canção de Ninar vai ficar marcado para o resto da sua vida. Eu recomendo a leitura!


Primeiro parágrafo: "O nome da música é 'Canção de ninar'. A esta altura, devo tê-la ouvido um milhão de vezes. Mais ou menos." 
Melhores quotes: "Sabe, quando dá certo, o amor é realmente incrível. Não é superestimado. Há um motivo para existirem tantas musicas sobre ele."
"Era preciso ser louco para sair de uma experiencia daquelas e ainda achar que o "para sempre"
era possível."
"E amar é precisar de alguém. É aturar características ruins porque a outra pessoa de alguma forma, te completa."


2 Comentários

  1. Olá, Thais.
    Eu quero muito ler este livro, amei a sinopse, a capa e a sua resenha me deixou com mais vontade de ler, você a escreveu super bem.
    O que mais curto da Editora Seguinte é essa ideia dos marcadores na orelha do livro. Como não amar? <3
    Suas fotos estão lindas! Amei!

    Parabéns pelo blog!

    Beijo, beijos
    relicariodehistoriasma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ótima resenha! Eu gostei muito do livro. Concordo que no início a Ramy pareceu um pouco chatinha, mas também achei super legal ela ser uma menina mais parecida com as adolescentes de hoje e diferente das mocinhas protagonistas de muitos e muitos livros. Nada de pureza para Ramy... Dexter é um amorzinho, amei a personagem demais. Está aí um casal bem diferente. E a banda? Super legal! Nada de deus sexy do Rock, canções "cabeça" e tal. Eles são desengonçados, magricelas, bobos apaixonados e compõem cada música sem noção que morri de rir. Enfim, gostei!
    Parabéns pelo blog! Beijos!

    ResponderExcluir

.