Livro: Proibido
Título original: Forbidden
Autor (a): Tabitha Suzuma
ISBN: 9788565859363
Editora: Valentina
Páginas: 304
Sinopse: Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis. Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã. Mas será que o mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia? Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.

    
Cheio de polêmica, Proibido foi trazido para o Brasil através da Editora Valentina, traduzido por Heloísa Leal e publicado no segundo semestre de 2014. Escrito por Tabhita Suzuma – ganhadora de inúmeros prêmios – teve sua capa inovada e promete conquistar vários leitores... Ou não? Leia a resenha a seguir.

     Lochan foi, desde o inicio, um filho indesejado. Abandonado por seu pai quando era pequeno e negligenciado por sua mãe alcoólatra e irresponsável, Lochan precisou amadurecer mais rápido para que pudesse cuidar de seus três irmãos mais novos, com a ajuda de Maya, sua irmã um ano mais nova.      
     Nervoso pelas futuras mudanças, nosso jovem protagonista está prestes a fazer dezoito anos e ir para a faculdade, mas diante a tantas dificuldades, tem crises constantes de pânico e não consegue se socializar de modo algum, a não ser com sua própria irmã – que sempre fora sua companheira, sua melhor amiga e seu porto seguro. 
     Já Maya sempre fora um garota adoravelmente extrovertida, firme e conciliadora. Precisou ajudar – desde cedo – seu irmão a manter a família, e assim como ele, estudar para buscar um futuro melhor. Mas foi através desse contanto constante e do sentimento intensamente fraterno que nutriam que uma grande e avassaladora paixão se ascendeu. 
     Não demorou muito para sua mãe decidir manter sua vida com um namorado, longe de sua real família, fazendo Maya e Lochan realmente se tornaram um casal, “pais” de seus próprios irmãos. Porém, quebrar as regras da sociedade e da própria lei de seu país poderia lhes custar tudo, inclusive sua própria família. 
     Em uma fuga constante do Serviço Social, e de qualquer outro órgão que poderia desmanchar seu lar, Maya e Lochan decidem manter seu relacionamento escondido – até dos próprios irmãos mais novos. Mas conforme o tempo passava, tudo parecia ficar mais difícil. Kit, o irmão de treze anos, estava se envolvendo com gangues e drogas, e as contas da casa estavam se acumulando sem ninguém para pagá-las. 
     Será que, no final das contas, esse diferente casal irá triunfar diante todos os problemas e impedimentos? Será que venceriam do mundo inteiro? 

     Proibido é mais que um livro polêmico, é uma obra extremamente dramática. Lê-lo, é como sentir, na realidade contemporânea, o toque shakespeariano – responsável por quebrar inúmeros corações. E Tabitha não se mostra diferente: ela pretende romper seu coração logo nas primeiras páginas. 
     Escrito em primeira pessoa, com protagonistas alternados – Maya e Lochan – temos contato com uma narração simples e informal, porém, bem empregada. Ouvi algumas pessoas falarem que a linguagem desse livro em inglês não era bem construída. Não tive a oportunidade de lê-lo em inglês, tão pouco sei se a tradutora a melhorou ao decodificar a obra, mas de uma coisa garanto: pelo menos em português, a narração estava em bom nível.


      É um livro que lhe envolve logo na primeira página e exige que o leia até o fim. Tem vários altos e baixos, vários clímax pequenos durante o desenvolvimento, e uma história muito concreta. Apesar de ser melodramática, Proibido parece ser inteiramente real.
     Ao lidarmos com o mundo inteiramente cruel, injusto e deslocado de Lochan e Maya, sentimos nosso peito se apertar de sofrimento. É uma realidade palpável e verdadeira que a autora utilizou em seu enredo sentimental: as famílias desintegradas pelo abandono ou pelo próprio vício corrompedor, e, não mais distante, suas consequências
     Fica bem explícito que a essência antissocial de Lochan é resultante da família fragmentada, assim como a genialidade difícil e inclinada a marginalidade de Kit. E seria a relação romântica entre Maya e Lochan um produto também dessa base familiar inexistente? Seria a paixão deles um distúrbio doentio causado pelo abandono? Fiquei pensando nisso por muito tempo, tentando assimilar a ideia da autora. Apesar de desconfiar que Tabitha quisesse demonstrar realmente isso – os defeitos de uma infância desajustada – havia algumas partes dessa obra que demonstrava realmente o contrário: que Maya e Lochan se amavam, independente de qualquer coisa, inclusive a criação, laços sanguíneos e a vida difícil.
     De inicio tive que admitir que essa ideia de incesto foi estranha para mim. Nunca consegui imaginar um romance com essa base de enredo, até porque, a sociedade nos inibe qualquer pensamento incestuoso. O próprio livro se mostra crítico em relação a isso. Em nenhum momento a expressão “incesto” foi utilizada para representar o que Maya e Lochan tinham, até porque a sociedade associa esse termo com a promiscuidade – algo inteiramente diferente do que se passava ali. 
     E então, conhecendo os sentimentos límpidos e extremamente inocentes dos nossos protagonistas, é quase impossível se manter com os conceitos impostos pela coletividade, pela lei ou pela própria religião. Sentir na pele, se ver dentro de uma situação como essa e não ter a oportunidade de escolher, é ter uma empatia imediata pelo dramático acontecimento; é compreender sem discutir, e absorver essa lição que mostra que amor é amor, e que o resto não importa. 
     Fiquei muito satisfeita também com as reflexões que Tabitha nos presenteia. Sobre nossos preconceitos, sobre nosso errado pensamento que para “ser feliz” só há uma receita, e todas as demais são erradas e devem ser extintas. A autora nos fez refletir muito sobre nosso egoísmo, de querermos definir como alguém deve viver, como deve agir, quem deve amar. Sem dúvidas, Proibido é um livro demasiadamente forte, muito dramático e impactante. 

“Todo mundo tem o direito de fazer o que quiser, de expressar seu amor como bem entender, sem medo de assédio, ostracismo, perseguição ou mesmo a lei.”

     Os personagens me agradaram muito, ainda mais Lochan, que me fez viver com intensidade suas crises de pânico e seu psicológico desajustado. Apeguei-me a sua personalidade altruísta e correta. E Maya incomodou-me no começo, pois era insistente demais, porém, determinada e firme. Esses dois personagens se completavam em suas diferenças e faziam um ótimo casal. Já as crianças eram muito concretas e peculiares. Acabei nutrindo uma simpatia muito grande por todas elas, já que eram tão reais. 
     O que me incomodou foi a paixão de Maya e Lochan, que foi um pouco abrupta. Mas foi algo que eu realmente  soube ignorar. A autora poderia ter desenvolvido um pouquinho mais, amadurecido os sentimentos de ambos ainda mais.
     Proibido é um livro muito bem arquitetado. Se lido com muita atenção aos detalhes, percebe-se as intenções da autora desde o inicio. Não foi uma trama repentina, mal pensada e impulsiva. Tudo foi criado com um cuidado minucioso, para que o final se fizesse perfeito. 
     O clímax foi como eu já vinha prevendo, contudo, se mostrou melhor somado ao final impactante e surpreendente. Leitores experientes quando lidam com essa obra, já sabem seu final, contudo, a autora soube manipular o enredo fazendo, mesmo assim, o desfecho ser incrivelmente perturbador. Os próprios sentimentos do leitor o traem e então é impossível não se emocionar ao ler Proibido. 
     Quando terminei o livro, fiquei refletindo sobre ele com lágrimas nos olhos. Amei tê-lo lido, apesar de alguns defeitos ou alguns pontos que poderiam ter alcançado um potencial maior. 
     A capa brasileira construída por Raul Fernandes é muito mais bonita que a capa original, em inglês e a diagramação é de se admirar. A Editora Valentina está de parabéns por terem se arriscado ao trazer um livro tão polêmico – mas tão bonito – para o Brasil. 
     Indico a leitura para todos que apreciam um romance intenso, uma história dramática que toca o leitor do começo ao fim; para que gosta de se emocionar e refletir e, ainda por cima, assimilar lições importantíssimas. Esse livro é para leitores que gostam de pôr seus defeitos e preconceitos em cheque, livrarem-se da alienação e do controle social e aprenderem sobre outros pontos de vista. É para quem gosta de se inovar. 

Primeiro Parágrafo:
“ Observo as casquinhas pretas, secas, esturricadas que se espalham pela tinta branca descascada dos parapeitos. É difícil acredita que já tenham estado vivas.”
Melhor Quote:
“Mesmo à noite, quando abraço o travesseiro e olho por entre as cortinas abertas, não me permito ceder, porque, se fizesse isso, eu não me levantaria mais.”

















39 Comentários

  1. Le, estou louca para ler esse livro desde que li uma matéria no site da Ig falando sobre livros polêmicos, e esse é SUPER polêmico! Que bom que você gostou dele também :)

    Beijos,
    Caroline, do criticandoporai.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. oie gabi e letícia!
    olha, eu já vi umas resenhas desse livro, mas acho que nenhuma me convenceu tanto quanto essa sua que acabei de ler, Le.
    nao estava cem por cento, mas vou aproveitar sua dica e comprar no submarino que ta em oferta hoje kkk
    brigadao

    ResponderExcluir
  3. Oi Le, estou muito interessada neste livro e como tenho procurado resenhas deles, fiquei muito satisfeita quando li esta sua. Mais um ponto pro livro.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  4. Oi Le!!!
    Adorei sua resenha, estou super ansiosa para ler este livro, vc conseguiu me deixar super, hiper, mega curiosa rsrsrsrsrs.Obrigada
    Bjus.

    Att, Giovanna.

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Amei a resenha, e ao ler tantos comentários sobre esse livro... quis saber mais detalhes...

    Você foi eficiente nesse quesito, resenhou o livro com maestria e me fez entender o porque de tanto auê.

    Fiquei curiosa, mas não sei se terei coragem de me lançar a esse desafio, porque por sua descrição o livro é realmente um mergulho literário e provavelmente sem volta.

    Att
    Mara d'Arques

    ResponderExcluir
  6. Olá..

    Nunca demorei tanto para finalizar uma leituta, como proibido. Mas, terminei ontem.. O que dizer..
    Proibido, é algo fora de tudo que já li até Hoje, nunca sofri tanto lendo um livro. Quando resolvo ler, decidi abrir minha mente e me entregar , pois só assim consegui vivenciá-lo na sua forma mais completa. O enredo de inicio é perturbador, vivi em uma guerra interior se devia prosseguir ou não. Ainda bem que dei continuidade, apesar de sofrer a cada virada de página, aprendi demais com o amor e o altruimo dos dois, principalmente do Lochan.. Lochan... ai que dificil, esse personagem fantastico, cheio de amor.. sem sombra de dúvidas, Lochie foi para mim, o personagem mais marcante até Hoje. leiam, sofram, se entreguem.. abram a mente e viva, pois é lindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você acabou de definir tudo que eu senti a respeito do livro. Esse também fOi um livro que demorei para terminar, tive que parar várias vezes pra chorar e refletir. Realmente é um ótimo livro.

      Excluir
  7. Posso dizer que tive meu coração dilacerado por esse amor “PROIBIDO”. Como uma coisa tão errada pode parecer tão certa? Como você pode torcer a cada página para que dois irmãos sejam felizes para sempre como um casal?
    Tenho certeza que jamais vou me esquecer da história dessa família. Tabitha Suzuma entrou para a minha lista de escritoras favoritas. Escreveu esse livro com tamanha maestria, sensibilidade e inspiração que me vi derramando lágrimas e olhando para o horizonte refletindo... será que se isso acontecesse dentro da minha família eu teria a mesma visão que tenho após ler o livro?
    Certamente não é um livro para qualquer pessoa, mas é uma lição de vida para qualquer ser humano que acha que tem uma opinião formada sobre toda e qualquer situação.
    Só posso agradecer à Suzuma por me ensinar mesmo que indiretamente que não existe certo ou errado, mas sim a sua história de vida, a minha e a deles. E que não devemos julgar aquilo que não conhecemos e sentimos.
    “Você pode fechar os olhos para as coisas que não quer ver, mas não pode fechar o coração para as coisas que não quer sentir”

    Viviane Gonçalves
    vsg_caue@hotmail.com

    ResponderExcluir
  8. Que vontade de ler esse livro e que resistência ao mesmo tempo. Mesmo através da resenha dá pra perceber como esse livro é forte. Acho importante dar uma avaliada em si mesmo e nos conceitos pré determinados antes de ler um livro assim. Rs
    Com certeza entrou pra wish list de 2015. Parabéns pela ótima resenha e pelo blog!

    ResponderExcluir
  9. Vencer a resistência para ler esse livro não é fácil! Ainda bem que a venci, e não me arrependo. Blog lindo meninas, Parabéns! Passem e olhem o meu, fiz minha primeira publicação hoje! http://manhemedaumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Acabei de ler ontem fiquei um tempo chorando,eu fiquei torcendo que um dos dois tenha sido trocado na maternidade mais vii que realmente eram irmãos o amor deles eram tão puro e intenso mas gostei do final mais eu acho que a mãe deles tinha que ter um fim justo depois de tanto abandono até mesmo o pai

    ResponderExcluir
  11. Acabei de ler ontem chorei muito, no começo cheguei a torcer pra um deles ter sido trocado na maternidade mais vii que não eles eram realmente irmão, o amor deles eram tão puro e inesperiente porém tão intenso, gostei do final acho digno quem morre por amor mas acho que a mãe tinha que ter um final justo depois de tanto abandono principalmente o pai

    ResponderExcluir
  12. Acabei de ler ontem fiquei um tempo chorando,eu fiquei torcendo que um dos dois tenha sido trocado na maternidade mais vii que realmente eram irmãos o amor deles eram tão puro e intenso mas gostei do final mais eu acho que a mãe deles tinha que ter um fim justo depois de tanto abandono até mesmo o pai

    ResponderExcluir
  13. Só espero que façam um filme, o MAIS fiel possível. É muuuito bom

    ResponderExcluir
  14. Só espero que saia um filme o mais fiel possivel, pq é, muito bom

    ResponderExcluir
  15. O final deixa um tremendo vazio. Podia ter uns clicezinhos basicos eheh. Do ponto de vista qualidade literária está bom, mas pra gente sentir um gostinho de justiça teríamos que ver a mãe sofrer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, eu queria que a mãe deles sofrer-se mais, eu tenho ódio dela.

      Excluir
  16. Desde o dia que comecei a ler não parei mais, até o capítulo 25. Eu não consegui dormir depois do que li, passei dois dias me perguntando se deveria ler o final e ficar completamente... sei lá. Aí, eu li, anteontem, e eu só pensava "Maya, Maya, Maya..." e chorava. Ultimamente eu penso no quanto o mundo é injusto, que eu queria ver aquela mamãe maldita na cama, com uma doença bem grave, a Maya perto dela contando a verdade e um "você fez isso com ele" pra acabar de vez com ela. Foi muito injusto, pra mim, muito.

    ResponderExcluir
  17. Desde o dia que comecei a ler não parei mais, até o capítulo 25. Eu não consegui dormir depois do que li, passei dois dias me perguntando se deveria ler o final e ficar completamente... sei lá. Aí, eu li, anteontem, e eu só pensava "Maya, Maya, Maya..." e chorava. Ultimamente eu penso no quanto o mundo é injusto, que eu queria ver aquela mamãe maldita na cama, com uma doença bem grave, a Maya perto dela contando a verdade e um "você fez isso com ele" pra acabar de vez com ela. Foi muito injusto, pra mim, muito.

    ResponderExcluir
  18. Não leria de novo ele. Não pelo fato de não ser bom longe disso, é um livro incrivel. Mas sofri muito com esse livro, fiquei muito tempo refletindo sobre ele, e só de lembrar já bate aquela tristeza rsrs'. Mas enfim, é sensacional, mas é necessário ser um pouquinho forte pra ler de novo haha.

    ResponderExcluir
  19. Adorei a resenha. Muito boa. Me convenceu a ler,só falta tempo e coragem hahaha

    ResponderExcluir
  20. Adorei a resenha. Muito boa. Me convenceu a ler,só falta tempo e coragem hahaha

    ResponderExcluir
  21. Chorei muito lendo o livro...
    Já trabalhei com adolescentes com famílias desestruturadas e confesso que vi muitos deles em várias passagens de Proibido...
    Lindo... Intenso... Profundo... Triste... Reflexivo... São palavras que definem esta obra.
    Mesmo sabendo que o livro aborda uma relação incestuosa entre irmãos, o que é, totalmente, errado, e sabemos disso desde que o mundo é mundo; o amor dos personagens se deu de forma tão pura e inocente que, confesso, torci para que eles fossem felizes de alguma maneira, por mais que o "pecado" o "errado" tivesse ocorrido... aquelas crianças mereciam um final feliz.
    Recomendo muito o livro. Pra quem quer um bom livro, uma obra de qualidade e que prende o leitor da primeira a ultima palavra, leiam Proibido...
    Assim que comecei não consegui parar. li o livro em uma noite.

    ResponderExcluir
  22. Ola.... Esse foi o segundo livro que li e chorei horrores...
    Mas como vc descreveu a cima... A historia se torna envolvente... E tem certos momentos que ate cheguei a pensei na possibilidades doa dois serem um casal...
    Confesso não ter gostado do final...
    Mas também... Dor outro final seria impossível

    ResponderExcluir
  23. Nunca tinha chorado enquanto lia um livro. E quando cheguei na parte que Lochan se suicida, quase não conseguia ler o resto. Tive esperança de que fosse mentira e que ele estivesse sonhando ou algo assim, até que tive coragem e continuei a ler e tive a certeza que sim, ele tinha morrido. O livro é ótimo, mas eles sofreram e lutaram tanto que é injusto o final do livro. A mãe deles continuou do mesmo jeito, não foi punida por nada, sendo que ela era a errada na história. Não tem como achar essa história de amor errada.

    ResponderExcluir
  24. Nunca tinha chorado enquanto lia um livro. E quando cheguei na parte que Lochan se suicida, quase não conseguia ler o resto. Tive esperança de que fosse mentira e que ele estivesse sonhando ou algo assim, até que tive coragem e continuei a ler e tive a certeza que sim, ele tinha morrido. O livro é ótimo, mas eles sofreram e lutaram tanto que é injusto o final do livro. A mãe deles continuou do mesmo jeito, não foi punida por nada, sendo que ela era a errada na história. Não tem como achar essa história de amor errada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por favor, cuidado com os spoilers! Estava dando uma olhada nos comentários, e dei de cara com a sua revelação :(

      Excluir
  25. Só vou ser breve, acabei de terminar de ler!!!
    1)Devastador só faz jus de 18% do Final de livro!
    2)Sé preparar é o básico a fazer antes de ler!
    3)Você é totalmente anormal se não chorar!!
    4)Vai precisar de Período de recuperação!
    5) se sobreviver nada mas te mata!!!!!!! "Eu te amo, me perdoa."

    ResponderExcluir
  26. Alguem sabe me recomendar algum outro livro com esse mesmo tema?na mesma linha deste?Obrigada

    ResponderExcluir
  27. Céus, acabei de ler agora.. Estou completamente devastada! Não consigo parar de chorar e parece que eu nem quero, quero mesmo chorar por esses dois. Nossa eu sinto tanto :'(

    ResponderExcluir
  28. comprei, estou me preparando para começar a ler. sinto que vou chorar horrores pois minha amiga leu e disse que foi o livro mais devastador da vida rs. ele parece ótimo, vou devora-lo.

    ResponderExcluir
  29. Acabei de terminar a leitura de Proibido. Meu Deus, eu não esperava chorar tanto. Confesso que peguei o livro pra ler com um pé atrás, mas me entreguei nas primeiras páginas! Torci, vibrei, ri e, por fim, chorei copiosamente. Pensei que jamais outro personagem me faria sofrer como Will Traynor fez, mas caramba! Lochan passou dos limites! Leiam! Eu sei que a temática é algo inimaginável, praticamente, e a questão ainda me parece absurda demais, mas mesmo assim, mesmo com todos esses paradigmas... esse livro supera tudo porque é uma história de absoluto amor e superação de todas as dificuldades. Nem sei mais me explicar em palavras. Apenas leiam.

    By: Silvia

    ResponderExcluir
  30. Parabéns por sua resenha. Acabei de ler o livro e realmente o achei lindíssimo e me tocou de uma forma que há tempos nenhum livro ou tema conseguia.Ele te faz refletir sobre certos valores e questionar-se sobre outros e te faz ver que o que importa é a forma como cada um é feliz - sem a interferência de quem quer que seja. Parabéns à autora e à editora por terem trazido o livro ao Brasil.

    ResponderExcluir
  31. Oi! Adorei sua resenha. Eu acabei de ler o livro, e não foi possível parar de chorar, e sinceramente não consigo aceitar como acabou, mas, como na realidade, nem todos os livros têm que ter um final feliz, e tenho plena certeza que vou demorar pra reconstruir o meu coraçãzinho de leitora. Sério, esse livro foi realmente avassalador

    ResponderExcluir
  32. Li este livro já ha algum tempo, e fiquei dias com ele na cabeça, foi a primeira leitura que me deixou triste, aflita e pensativa, tudo ao mesmo tempo, confesso que vejo este tipo de caso com outros olhos hoje.

    ResponderExcluir
  33. Esse livro e simplesmente incrível, eu li ele faz um tempinho e ainda me vem lágrimas ao lembra dele. O livro tem que se lido com a mente e o coração abertos, ele e apaixonantes e você vai ser vê totalmente apaixonado pelos personagens, menos pela mmãe_odeio ela, logo no começo eu já quis espanca ela.

    ResponderExcluir
  34. ESTOU LENDO E NAO CONSIGO PARAR... ESTOU TAO ANSIOSA Q QUANDO VOU DORMIR JA QUERO ACORDAR P COMEÇAR LER DNOVO..

    ResponderExcluir
  35. Eu estou lendo o livro e adorando. Li sua resenha e só aumentou minha vontade de terminar de lê-lo. Mas,cai na besteira de ler os comentários e estava tudo bem até que revelaram uma coisa triste e não sei se vou terminar de ler... Muito triste por saber esse quase final!

    ResponderExcluir

.