Olá, leitores! A coluna Li Até a Página 100 e... de hoje traz um clássico da ficção científica: O Livro do Juízo Final, de Connie Willis, uma das maiores escritoras do gênero. Aqui vocês podem conferir minhas primeiras impressões sobre essa obra:


PRIMEIRA FRASE DA PÁGINA 100: "Estava carregando um maço de papéis de diferentes cores".

DO QUE SE TRATA O LIVRO: Kivrin Engle é uma jovem estudante e pretende um dia ser uma grande historiadora. Ela vive em 2054, quando viagens no tempo já haviam se tornado reais. Seu maior sonho é poder voltar para a época da Idade Média – e ela enfim consegue realizar esse desejo. Porém, sua viagem não é tão simples como imaginava. Várias complicações ocorrem tanto na Inglaterra do século XIV quanto na do século XXI. Kivrin e Badri, o técnico que comandou sua viagem, estão seriamente doentes e a realidade pré-existente pode ser irremediavelmente afetada.

O QUE ESTÁ ACHANDO ATÉ AGORA?
Todos os detalhes da história parecem muito interessantes. Willis criou uma trama bastante original, mas até a página 100, a situação não evolui muito. Conhecemos um pouco de cada personagem e do universo futurista de 2054 em que vivem. Mas ainda não ganhou aquele ritmo frenético que normalmente espero ver em ficções científicas, e, apesar de as complicações começarem a surgir, nada ficou muito claro.

O QUE ESTÁ ACHANDO DO PERSONAGEM PRINCIPAL?
Neste caso, trata-se de Kivrin, mas ainda não houve muitos capítulos sobre ela. Espero poder conhecê-la melhor, pois, pela visão que Dunworthy, seu tutor, tem dela, parece uma personagem muito interessante e com grande potencial de ser protagonista dessa história: jovem, sonhadora e determinada – tudo o que se quer ver numa personagem principal. Até então, Dunworthy parece mais protagonista que ela.

MELHOR QUOTE ATÉ AGORA:

Quando eu tinha dezenove anos... isso foi, ah, Deus, quarenta anos atrás... bom, nem parece tanto tempo assim... viajei com minha irmã pelo Egito inteiro – disse ela. – Foi durante a Pandemia. Por toda parte os governos estavam declarando quarentenas, e os israelenses atiravam nos americanos sem aviso prévio, mas a gente não ligava. Acho que nem chegamos a cogitar a ideia de que podíamos estar correndo perigo, podíamos adoecer ou ser confundidas com americanos. Mas tudo o que queríamos era conhecer as pirâmides.

VAI CONTINUAR LENDO?
Sim, apesar de ainda não ter me prendido, sou uma grande fã de todo tipo de ficções científicas e tenho muita curiosidade de conhecer ainda mais esse universo criado por Willis (e que também conta com o clima de Idade Média).

ÚLTIMA FRASE DA PÁGINA 100: "Dunworthy pensou em Finch e nas sineiras que estariam sem dúvida esperando por ele no portão do Balliol, com invocações e Escrituras".


Deixe um comentário

.