Livro: A Hospedeira
Título Original: The Host
Autor (a): Stephenie Meyer
Editora: Intrinseca

Edição: 1
ISBN: 9788598078595
Páginas: 560
Acabamento: Brochura


Sinopse:
Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Quando Melanie, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a "alma" invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente. Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.
      
 Em A Hospedeira, a Terra foi invadida por almas alienígenas, mas, diferente do que pensamos no geral, essas são almas bondosas, amorosas, altruístas e que, para eles, tomaram nosso planeta pelos humanos o estarem destruindo. Tal invasão foi se alastrando pela população e apenas notada quando já havia tomado enormes proporções. Sem opções há não ser se esconder, os poucos humanos que sobraram vivem como nômades ou em esconderijos, fugindo das almas e lutando para sobreviver.
         Peregrina (ou Wanderer, no inglês original) é uma dessas almas. Cheia de vida, Peg, como é apelidada mais tarde, tenta se adaptar ao novo corpo hospedeiro, mas  há algo de inusitado: ela consegue ouvir os pensamentos de Melanie Stryder, a garota dona do corpo a qual ela habita. Convencida aos poucos por Melanie, Peg resolve partir em busca dos dois homens que Melanie mais ama, apesar de ainda os tentar proteger de Peregrina: seu namorado, Jared, e seu irmão caçula, Jamie.
       Partindo em uma jornada difícil, a alma irá aprender que os humanos não são exatamente odiosos como lhe foi ensinado, encontrando o amor e amizade, ainda que fique confusa entre a paixão sentida por Jared – em parte pelas lembranças de Melanie – e o leal Ian, com quem constrói uma grande ligação.
Admito que leitura, a princípio, é um pouco maçante. Tive dificuldades para ler as primeiras 30 páginas, pois, como o assunto não é usual, é confuso. Mas, igualmente, depois disso, não consegui parar de ler. A Hospedeira é uma história envolvente, não se deixem enganar pelo clichê de extraterrestres, pois, lhes garanto que apesar de ser uma ficção científica, não é exatamente o que se parece. O triângulo amoroso é por vezes frustrante, e admito que me vi, em inúmeras situações, com muita raiva de Melanie, a – um tanto mesquinha – coadjuvante.
         É uma história muito bem definida, com personagens marcantes e parágrafos bem escritos. Se você tem um pré-conceito sobre a autora, Stephanie Meyer – que é também autora do fenômeno “Crepúsculo” – não se deixe levar por isso. A Hospedeira diverge em vários aspectos da saga, mas sendo também um daqueles livros em que o leitor não coloca muitas expectativas, mas acaba surpreendido e apaixonado – de diferentes modos – por cada pessoa citada no livro.
Primeiro parágrafo do livro:
" O nome do Curandeiro era fords águas Profundas. Como era uma alma, por natureza ele era inteiramente bom: compassivo, paciente, honesto, virtuoso e cheio de amor. A ansiedade era uma emoção icomum para Fords Águas Profundas"

Melhor quote:
“Se eu tivesse de escolher alguém, qualquer um, para ficar perdida num planeta deserto, seria você. Sempre quero estar com você. E não só para… e não só para conversar.”


15 Comentários

  1. Tenho muita curiosidade de ler este livro parace ótimo!!!

    ResponderExcluir
  2. ADOREI O BLOG DE VOCES! ja to seguindo
    achei super inteligente e bem estruturado!
    é novo npe? mas parece que vocs tem bastante experiencia com blogs, entao parabens
    adorei mesmo! bjux

    ResponderExcluir
  3. muito bem escrtio
    legalll!

    ResponderExcluir
  4. Como já disse quero ler esse livro,agora mais ainda lendo a resenha..bjs..

    ResponderExcluir
  5. Já li o livro. Realmente é muito bom, é tudo o que diz na resenha! No começo é confuso e até chato, mas depois supera as expectativas

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela resenha, muito boa!
    Ansiosa para ler-ganhar no sorteio do blog.

    ResponderExcluir
  7. Uau, a história parece intrigante!!!

    ResponderExcluir
  8. Poisé. Estou saindo dessas 30 paginas hoje, e estou conseguindo entender um pouco da historia do livro. Estou muuito curiosa para ver logo o filme, mas ja vi que vai demorar.

    ResponderExcluir
  9. Há um tempo ando ansiosa por esse. Muito menos pelo nome da Stephanie ou o triângulo amoroso do que pelo título, que fala por si só! Eu realmente gosto de ficção científica, somado com a imagem que as resenhas vem criando dessa história, parece muito boa!

    ResponderExcluir
  10. Confesso que não gostei muito da saga Crepúsculo, mas para mim a Stephenie Meyer revolucionou ao escrever A Hospedeira, pois eu achava que jamais leria algum livro dela depois de ter detestado Crepúsculo... Mas as resenhas de A Hospedeira me fazem amar cada vez mais o livro, me deixando com uma vontade irresístivel de ler.

    ResponderExcluir
  11. Adoro os livros da escritora e morro de vontade de ler este livro!!! =D

    ResponderExcluir
  12. Adoro ler e esse me deixou bem curiosa, parece ser bem interessante!! :)

    ResponderExcluir
  13. Nossa, AMO esse livro. É perfeito. A história meche com você, e por um lado você acaba desejando que as "almas" dominem o mundo.

    ResponderExcluir

.